Arquivo para setembro \13\UTC 2017

histórias que só existem quando lembradas

Amor número 1 que me aparece nos sonhos mais pertinentes em noites abafadas de um inverno que não invernou; e nas histórias contadas aleatoriamente em que puxa um assunto e outro em que ele sempre está presente de alguma forma, num pedaço de vida que já foi pouco mais de um terço de anos vividos e hoje já é quase um quinto quanto mais me afasto desta lembrança. Eu cantando a plenos pulmões uma música cafona que diz que “não posso viver se viver for sem você” enquanto lavo a louça. Amor número 3 numa região geográfica atingida por um furacão e que me manda um vídeo sobre como seria o planeta Terra se a gente não existisse. O som do seu sorriso ao despertar. Seus olhos de verde-mar. Philip Glass tocando de fundo num outro cômodo enquanto acendo um incenso. Amor número 2 nunca me volta em lembrança alguma e é quase como se nunca tivesse existido, tirando o fato de que existiu sim e foi minha última dor de amor bem doída, de ficar indo ao banheiro no meio do expediente para poder chorar em paz no escuro. Não existe amor atual, apenas um ou outro relance de romance para deixar o coração batendo mais rápido vez ou outra. Se não houvesse vestígios de amores já vividos ainda permeando alguns cantos solitários do passado, como contaríamos nossa história?

Anúncios

Blog Stats

  • 164,291 hits