o dia em que eu matei minha planta da felicidade mesmo estando tão feliz

Foi seu aniversário num dia dez, e o Facebook não me lembrou mas eu lembrava porque jamais conseguiria esquecer. Mandei mensagem e você disse ter ficado feliz com a lembrança, que deixou seu “coração quentinho”. Mesmo distante, você ainda me faz sorrir com a menor das coisas, a maior das coisas. Outro dia li uma matéria numa revista feminina sobre amores breves que mudaram tudo e não tinha como não pensar em você, que foi tudo isso exatamente por ter sido ‘apenas’ isso: foi a brevidade que catalizou tudo, e foi tão especial exatamente porque só veio para chacoalhar o que precisava ser transformado. Se fosse ‘pra sempre’, talvez se afundasse mais pra frente em briguinhas bobas por ciúmes, em discussões por conta da toalha em cima da cama ou da conta de luz paga com atraso. Que bom que foi assim, tão certo e tão certeiro. Que bom.

Quando eu recebi a notícia do emprego novo, aguardada há mais de um ano, eu fiquei em estado de êxtase, meio paralisada. Depois uma música tocou na playlist e ela falava sobre se sentir no topo do mundo, e eu fiquei chorando compulsivamente de soluçar por um tempo que pareceu de horas mas deve ter sido de minutos. Foi uma viagem tão longa até aqui. 

Aí chegou carnaval e purpurina em todos os cantos, e beijei outros beijos e provei outros gostos, e uns foram bons e outros nem tanto, mas é vida que segue, com brilho no olho e no corpo e amanhã tudo voltando ao normal. E no último dia, voltando pra casa, choveu demais, daquelas chuvas torrenciais. E eu me deixei molhar. Eu quis me molhar. Era fim de tarde e eu era a única pessoa descendo a Rebouças a pé debaixo de tempestade, encharcando minha saia de tule e chutando a água das calçadas. Dançando na chuva, lavando a alma. Feliz, feliz. Cheguei em casa ensopada das águas de março que vieram para fechar o verão. E as promessas de vida, tão plenas e vivas, continuam aqui: no coração.

Anúncios

2 Responses to “o dia em que eu matei minha planta da felicidade mesmo estando tão feliz”


  1. 1 deniac abril 25, 2017 às 5:01 pm

    Bem legal tudo aqui. Bem legal…

  2. 2 Juliana Clorado maio 9, 2017 às 6:13 pm

    e eu ainda me pergunto por que de alguns amores serem assim?
    são especiais, mas tão breves…
    =/


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Blog Stats

  • 161,678 hits

%d blogueiros gostam disto: