a frente fria trazida pela chuva

Dispensando o balé por causa de uma enxaqueca fortíssima, sentada na janela do metrô voltando pra casa e divagando sobre todas as vidas que um dia imaginei para mim e nunca aconteceram. Desbravar a Alemanha com Stefan. Casada com Rafael e ter minha então melhor amiga como cunhada. Reencontrar Bruno já “adulta” e bem resolvida e rirmos das nossas bobagens adolescentes. Finalmente viver um romance com Ben quando ele se mudou para Paris. Uma volta de vespa com Marco em Veneza. Discutir filosofia num café em Santiago com Ignacio. Você batendo à minha porta arrependido, me pedindo para voltar – você nunca mais voltou. 

Eu, que gosto de vestir cores claras no inverno, deixo meus sapatos espalhados pela casa toda e sempre dou dinheiro para músicos de rua. Que tenho a base de um vestido de noiva no meu sofá há uma semana esperando uma reforma e almoço brownie num dia frio porque quero um consolo em forma de bolo. Eu, que fico postergando o texto que preciso escrever para o trabalho enquanto tomo chá e leio blogs de moda, salvando imagens no pinterest e ouvindo divas do jazz. Trapaceio na terapia, visto polainas enquanto assisto ao novo seriado favorito porque a mocinha me lembra muito eu mesma e me faz gostar um pouco mais de mim – e em momentos de crise, isso é tão, mas tão necessário. Tento me enxergar como os outros me veem mas sempre há uma insegurança gritante aqui dentro, como se eu nunca fosse merecedora ou capaz. Uma tendência forte à preguiça e à indisciplina, um não-querer levantar cedo, atender o telefone ou responder mensagens. A vista da minha janela é recortada por São Paulo e seus prédios desordenados, o pôr-do-sol desenhado no meio dos edifícios. Enquanto caminho sem destino, vejo as ciclovias desbotando, a tinta das paredes descascando. Leio sobre saturno em sagitário trazendo estabilidade, mas minha mente sonhadora só sabe pensar nos aneis. Mãos sempre tão frias – dizem que é sinal de “coração quente”. Com essa minha mania besta de insistir no romantismo: só pode ser.

Anúncios

0 Responses to “a frente fria trazida pela chuva”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Blog Stats

  • 163,970 hits

%d blogueiros gostam disto: