pretérito presente

“Alegam os poetas que, ao adentrar alguma casa ou algum jardim onde moramos quando jovens, reencontramos por um instante aquilo que já fomos.”
(trecho de “Em busca do tempo perdido”, de Marcel Proust)

Outro dia estava procurando uma casinha para fazer aula de tricô. Sabia que era na esquina da travessa aonde fica a igreja em que fiz minha primeira comunhão – a rua, de paralelepípedos, estava coberta de flores de uma primavera ansiosa que chegou antes da hora. Encontrei o tal lugar e, por já estar lá, resolvi entrar na igreja. Em poucos segundos uma emoção muito forte tomou conta de mim, de fazer o corpo tremer, o estômago doer, os olhos marejarem. É uma igreja tão simples, minimalista; nada barroca. Nem bonita. Mas eu me vi lá, em 1995, indo todos os domingos. Me vi no altar, no tão esperado dia da primeira comunhão. Me vi com todos os familiares empenados para tirar a famosa fotografia para o álbum de recordações – quatro deles não estão mais aqui.

E, numa visita tão prosaica, em um lugar que eu não ia há uns bons quinze anos, um filme da minha vida passou em frente aos meus olhos, bem clichê. Da menina de dez anos na 4ª série primária, tão cheia de sonhos, que queria ganhar o mundo. Na mulher que sou hoje, por causa de tudo isso que me aconteceu, de bom e de ruim. Os erros, os acertos, os tropeços. De todos os lugares que visitei, pessoas que conheci, afetos que acumulei. Tanta história, tanta coisa, tanta gente. Foi um encontro tão singelo, numa segunda-feira abafada de agosto. Foi quase uma revelação.

Anúncios

4 Responses to “pretérito presente”


  1. 1 Ju setembro 21, 2012 às 12:36 pm

    o amiga, essa sensação é tão única e tão gostosa né?
    =)

  2. 2 Scheyla setembro 24, 2012 às 10:47 am

    Menina… esse teu post me deixou mais nostálgica ainda do que já estive nos últimos dias… rs
    Descobri o Coisa Velha no face, e desde então fico um tempo lá fuçando as coisas que fizeram parte da minha feliz infância anos 80 hehe.. aí fui olhar nos meus álbuns ontem de noite, de qdo era pequena, vi os amigos que perdi o contato, os brinquedos que tinha, a casa que morei e que tanto amava, o jardim.. já me bateu uma saudade… e aí hj abro teu blog e encontro este texto e o trecho acima.. pronto!! Foi o que faltava.. hehe
    Eu me mudei em 92, vim morar em outro estado, e em 2009 fui novamente no meu bairro, entrei na escola que estudei até a 3ª série.. nossa, foi uma mistura de sentimentos..
    Até fiz um post hj no meu face usando a frase.. nossa, isso as vezes mexe tanto com a gente né.. Adorei seu post!
    bjus

  3. 3 Nina Vieira outubro 2, 2012 às 12:23 pm

    É sempre bom fazer uma retrospectiva de quem somos e daquilo que fomos.
    Nunca fiz comunhão para saber exatamente a sensação.
    Abraços.

  4. 4 Rogério Percel Aires outubro 9, 2012 às 9:29 am

    Nosso mundo precisa se lembrar das coisas quando eram simples…..voltar as raizes é essencial. O próprio Cristo disse com relação ao cristianismo….lembra-te de onde caíste e volta ao primeiro amor….. acredito ser o que sempre precisamos…..voltar ao lugar onde o amor era sincero e desinteressado….Paz


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Blog Stats

  • 162,617 hits

%d blogueiros gostam disto: