it’s the end of the world as we know it

“(…) Fantasiar o fim do mundo é uma forma de nos fantasiarmos a nós como testemunhas desse fim do mundo.
E, além disso, é também uma forma conveniente de sacudirmos um pouco o tédio existencial da nossa condição pós-moderna, da mesma forma que os nossos antepassados medievais procuravam libertar-se da miséria material que os rodeava pela violência utópica.
Vaidade e tédio, eis a combinação dos nossos namoros apocalíticos. Que, às vezes, divertem.
A esse respeito, lembro-me bem do Réveillon de 1999, quando soaram as doze badaladas. A ansiedade estava ao alto: foram meses e meses com notícias tenebrosas de que um “bug” informático iria paralisar o mundo na chegada do ano 2000.
E, quando 2000 chegou, nada de nada. Ou, melhor dizendo, tudo de tudo: a mesma vida para viver; o mesmo trabalho para fazer; as mesmas contas para pagar; a mesma mulher, ou o mesmo homem, para suportar.
Na festinha onde me encontrava, lembro-me até da pergunta de um colega pasmo: “Era isso o bug?” Pergunta de desânimo, não de alívio.
Razão tinha o poeta. Viver sempre também cansa.”

(trecho de “Viver sempre também cansa“, João Pereira Coutinho)

Na semana que passei de férias na praia, aproveitei para colocar toda a leitura em dia. E muitas das coisas que me cercavam, nos dias pós-réveillon (o último?), eram reflexões do fim do mundo, sobre o tal calendário maia que diz que o mundo vai acabar em 21 de dezembro próximo. Fiquei pensando em muitas coisas, sobre o que eu gostaria de fazer e ainda não fiz, em como quero conduzir minha vida este ano, se de fato a gente consegue aplicar no dia a dia a máxima do carpe diem de “aproveitar cada dia como se fosse o último”, é-preciso-amar-as-pessoas-como-se-não-houvesse-amanhã.

Li muitos textos bem bons a respeito. Não defendendo a tal neurose generalizada, mas pontuando coisas interessantes nas nossas atitudes e comportamentos em relação a isso. Ou, se é para sermos práticos, então pelo menos no cotidiano tentar adotar a consciência de finitude e viver o agora. Porque todo mundo sabe que vai morrer um dia, mas “um dia” é tão vago. Se tem data de validade, a gente pelo menos fica um pouco mais esperto. E, se a previsão não se concretizar (o que é mais provável), pelo menos ter a certeza de ter feito muitas coisas boas neste meio tempo. Viver sempre igual cansa. Mas tentar viver o diferente pode ser um prazeroso exercício diário.

Anúncios

3 Responses to “it’s the end of the world as we know it”


  1. 2 Ju janeiro 24, 2012 às 9:22 am

    ah como cansa viver igual e diferente tbm, mas eu prefiro ainda tentar o diferente
    =)

  2. 3 nana janeiro 24, 2012 às 2:29 pm

    se o mundo acabar mesmo dia 21/12, pelo menos a gente vai ter comemorado nosso último aniversário!! esse ano tem que ser festa de gala!!!!!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Blog Stats

  • 163,970 hits

%d blogueiros gostam disto: