Arquivo de setembro \30\UTC 2009

personare do dia

“Nesta próxima fase que vai de 30/09 (Hoje) a 03/10, a Lua estará quase cheia, Nathalia, e ocupando o nono setor zodiacal. Há aqui uma pequena contradição: sua alma está começando a sentir que precisa expandir-se para novos horizontes, conhecer novas pessoas, fazer novos contatos, aprender coisas novas, ir para lugares não antes navegados. Todavia, o Sol na quarta casa ilumina seu mapa informando-lhe que ainda não é tempo, mas brevemente será. Neste período, é mais do que possível que você venha a perceber uma leve “abertura” de novos canais: pessoas que lhe procuram, promessas de novos estudos ou de passeios e viagens. Tenha atenção, porque esta fase é boa para um planejamento daquela que virá depois, daqui a alguns dias, que envolve muita diversão e folia! Mas você ainda precisa passar pela fase de Lua Cheia, pela desestabilização emocional temporária, para então abraçar o período posterior, mais alegre e luminoso.”

E que venha outubro!

ch-ch-ch-changes

Fiquei ‘com cebolas nos olhos’, como diz uma amiga – com aquelas lagriminhas no canto interno que teimam em tentar cair. Porque é minha música favorita de David Bowie, porque há crianças fofas cantando, porque foi a coisa mais linda que vi nos últimos dias, porque estou passando por uma fase de grandes mudanças em minha vida e porque, no fundo, o saldo é positivo: um sopro de grandes esperanças.

Changes are taking the pace I’m going through… ch-ch-ch-changes.

via

agora que sou rica,

mini_me2

eu apareço no blog da jana como mini trendsetter, e descubro que devo culpar meus pais pela minha patologia de ver amor em tudo. 

Foram eles que me deram esses óculos e amor sem fim!

das voltas que o mundo dá

Eu, com a minha ansiedade maluca, já tinha planos para esta mesma data, daqui a três anos. Dia 22 de setembro de 2012 tinha, além do início da primavera, sonho-dourado daqueles que se sonha junto. Hoje os sonhos estão em stand by. Mas a primavera, essa nunca falha: chega às 18h18, cheia de novas esperanças.

times are hard for dreamers

2009. Que ano difícil.

médico de alma

Dr. Bechara é pediatra e homeopata. E nosso médico há dezoito anos. Eu e meu irmão vamos lá uma vez por ano para check up geral de mil coisas, solicitação de exames para verificar taxa de triglicérides, respiração, pressão, altura, peso. PESO. Esse último sempre me assustou muito, desde quando eu era criança e meu corpo curvilíneo tinha que competir com meu irmão tipo longilíneo (sonho!). Desde sempre me dá frio na barriga semanas antes de ir, porque ele vai me mandar praticar maratonas porque faz bem pro coração e diminui o colesterol, e vai me receitar homeopatias pra ansiedade e levantar a sobrancelha porque engordei. Sempre. Porque meu peso é oscilante all life long, bem sanfona, mas parece que é só a consulta chegar para ele ficar próximo do que julgo ruim.

Acontece que o Tio Bechara, como eu e meu irmão insistimos em chamá-lo mesmo já tendo atingido a vida adulta há um tempinho, não é médico só de exames e remédios. Ele é médico de conversar também. Júlio não entende como vou ao pediatra até hoje, acontece que ele não é médico só de crianças. Ele é médico de gente. De mandar email pra saber como está, de ligar, ser atencioso, cuidadoso. E excelente profissional, em quem confiamos cegamente. E por ser médico de gente, ele também sempre pergunta como estão as coisas, dá conselhos consistentes, conta experiência de vida e nos enche de novas perspectivas.

Hoje foi minha consulta anual. Eu fiquei adiando “pra nunca” porque tinha coisas que ele iria perguntar e que não, eu não queria enfrentar. E ele perguntou. E eu me abri. Chorei como não chorava há tempos, falei do nó na garganta e de tudo que, a olhos alheios, podia parecer problema miúdo, mas para mim é o mundo, um buraco. E ele, com sua sabedoria sem fim, não só atestou meus problemas como legítimos como ouviu tudo com atenção e, em poucas palavras e cinco motivos, me garantiu que tudo vai ficar bem. E, por ser quem ele é na minha vida, eu acreditei.

Ele receitou um remedinho também, só para garantir. E eu saí de lá com a alma leve, leve. Como há muito não sentia. E quando meu pai pergunta, ‘como foi lá no turco?’, abro meu melhor sorriso e digo que ‘foi tudo bem, vai ficar tudo bem’.

Eu acho que todo mundo tinha que ter um Tio Bechara na vida. Ele faz a minha melhor.

você já olhou para o céu hoje?

“Porque a gente tem que se amar, tem que amar a vida, ser grata por tudo. Hoje eu acordei e estava aquele dia meio assim, sabe? E eu olhei pro céu e falei ‘poxa, São Pedro, eu queria tanto um dia bonito pra gravação… faz um dia bonito pra mim?’. E depois saiu o sol… assim. Ele foi lá e fez, sabe? Vê como é? (…) Eu às vezes paro e pergunto pras pessoas: ‘você já olhou pro céu hoje?’. Porque eu fico impressionada como as pessoas às vezes passam o dia na rua sem olhar pro céu! E ele está ali todo dia, sempre tão lindo…”

(trecho de ‘Jogo de Cena’, filme de Eduardo Coutinho. E não foi com essas exatas palavras que a moça em questão falou tudo isso, mas foi a mensagem que me marcou)


Blog Stats

  • 162,068 hits